13/10/08

A "Desertificação" de Alvalade

O alarme para o afastamento entre adeptos, equipa e clube já soou. São cada vez menos os adeptos a deslocarem-se a Alvalade (média entre 26.000 e 28.000 adeptos esta época), os bilhetes de época (Gameboxes) atingiram os valores mais baixos desde a sua criação e o n.º de sócios não aumenta de acordo com o previsto no lançamento no novo cartão S3G (o Sporting tem cerca de 97000 sócios, mas só 55000 são pagantes).
Apesar do Presidente dizer que não encontra explicação para estes números, eu vou dar-lhe algumas dicas e razões para as fracas adesões a tudo isto:
- A crise financeira - Ninguém fica alheio a este problema e a ida ao estádio é cada vez mais um bem supérfluo que será substituído por outros de maior necessidade;
- O espectáculo
- A equipa leonina não exibe um futebol que atraia multidões e isso reflecte-se ainda mais quando a equipa não ganha, logo é natural que ninguém queira pagar muito para ver pouco...;
- Os Preços
- Assistir a um jogo de futebol em Portugal é um roubo. Somos dos países europeus onde os bilhetes atingem valores mais elevados e somos dos que menos condições para pagar isso temos. Aliado ao valor dos bilhetes, os restantes valores inerente a uma ida ao estádio, comes e bebes e viagens e portagens, é que nem todos somos de Lisboa...;
- Os horários
- Mais uma vez se põe a questão geográfica, quem é que longe de Lisboa vai ver um jogo ao domingo à noite quando ao outro dia é preciso ir trabalhar? Quem diz ao domingo, diz à 2ª ou 6ª feira.
- Os núcleos
- Onde pára essa enorme força leonina pelo País? Que é feito dos núcleos sportinguistas que faziam fervor na mais pequena terreola de Portugal? É por demais evidente que o afastamento do clube e núcleos se repercute nas assistências leoninas. É preciso recuperar urgentemente esse bastão leonino e voltar-mos a ter os "nossos cantinhos verdes" espalhados pelo país a funcionarem em pleno, com interacção permanente com o clube.
É preciso mudar urgentemente este cenário, voltar a encher Alvalade, recuperar a mística sportinguista.
Nesse contexto deixo algumas sugestões para combater esses problemas:
- Treino semanal aberto aos sócios e adeptos no Estádio de Alvalade, um dia onde os sócios pudessem estar próximos da equipa, ver os seus craques, interagir com eles. Um dia de promoção juntos dos adeptos, com treino, contacto com os jogadores e sessões de autógrafos da FanLab;
-
Atrair novamente os núcleos sportinguistas espalhados pelo país ao estádio, quer através de campanhas atractivas ou promoções. O Sporting convidaria semanalmente alguns núcleos a virem a Alvalade através de um bilhete especial para esse efeito. Era uma forma de muitos sportinguistas virem a Alvalade e de todos vermos o estádio cheio semana após semana;
-
Reduzir o preço dos bilhetes sobretudo nos jogos em que os níveis de dificuldade são aparentemente menores, de forma a cativar o público para esses jogos de "menor" interesse. Seria melhor quer para a equipa, quer para todos nós;
-
Promoções e descontos para os sócios e adeptos que vivem longe de Lisboa, para que possam ver o seu Sporting a um preço mais acessível, combatendo os gastos das viagens e portagens. Algo que dê realmente vantagens aos sócios correspondentes, o que não sucede neste momento. Que beneficio tem um sócio correspondente que paga 55€ para ter direito a 4 bilhetes a preço de sócio? Não seria mais aliciante para esse sócio ter por exemplo a oferta de 2 bilhetes para um jogo em Alvalade? Pagaria o mesmo, mas pelo menos uma vez por ano iria ver a sua equipa ao seu estádio;
-
Um cartão de sócio que dê vantagens directas, algo que seja visível em cada utilização. Por exemplo em vez de acumular pontos em combustíveis, que tal usufruir desse desconto na hora?
-
Por último uma medida de difícil realização, a construção de um pavilhão junto ao estádio que permitiria o regresso das romarias verde e brancas nos fins-de-semana em Alvalade. Ver novamente famílias inteiras, que passavam o dia vendo as diversas modalidades do seu clube, numa amostra de verdadeiro clubismo. Seria o regresso de alguma mística verde e branca.
Comentem, critiquem, dêem sugestões e opiniões acerca deste tema.

11 rugido(s):

Leão de Alvalade disse...

Caro Visconde:

Achei estranho que me pedisses um comentário sobre esta tua postada
quando eu já o tinha feito hoje pelas 3.30h. Qual não é o meu espanto quando chego aqui e não o vejo cá. Devo ter posto a pré-visualização sem publicar. Assim sendo vou tentar reproduzir:

Como podes ver pelo que escrevi, pelo teu post e pela generalidade dos sportinguistas o diagnóstico está feito. Porque esperam os dirigentes para porem a mão na massa?

Faço uma ressalva a propósito dos sócios correspondentes. Percebo a sua utilidade mas julgo que a haver descriminação positiva deveria ser para os sócios efectivos que vivem longe, pois pagam tanto como os que vivem à volta de Lisboa mas a distância limita o exercicio da militância.

SL

Gnitrops disse...

A questão dos Nucleos é engraçada. Todas as épocas há um jogo que é o chamado "Jogo dos Núcleos" ou algo do género. Normalmente é contra equipas menos cotadas...lembro-me que já fui uma vez contra a Académica. Nesse jogo houve lotação esgotada! O preço do bilhete + viagem foi qualquer coisa como 10/15€! Porque não fazer em vez de 1, 3/4/5 ou 6 jogos destes?

O povo gosta do convívio e quando há organização por parte dos Nucleos é certo que muita gente vai ao estádio.

SL

Armando Silva disse...

De facto é premente a união entre adeptos e clube... O Sporting somos nós, e sem nós o Sporting não vive, apenas vai vivendo...

Mas atenção, as responsabilidades deste "afastamento" devem ser repartidas por todos... Todos temos culpa, a direcção porque não valoriza da melhor forma a marca do clube e fundamentalmente não tem um relacionamento mais próximo dos adeptos... E aqui, algumas das dicas que aqui vi, como a do amigo Visconde sobre os sócios de correspondência e o bilhete duplo oferecido, isso era excelente, e como a do amigo Gnitrops, sobre haverem mais jogos dedicados aos núcleos parecem-me muito boas e facilmente aplicáveis.

Contudo, outra parte da culpa é nossa, pois não pudemos nunca mobilizar ou desmobilizar em função dos resultados actuais... O Sporting precisa de nós sempre, quando e ganha e quando perde, quando é bem ou mal gerido, quando joga mal e encanta!!! O importante mesmo é o Sporting, o nosso Sporting, e aí nunca pudemos desmobilizar... Naturalmente não é fácil controlar o espírito quando assistimos a maus resultados sucessivos, e compreendo que em algumas ocasiões as pessoas desmoralizem e desmobilizem, mas essa fase nunca pode ser superior a muito pouco tempo...

Grande abraço caro amigo

House disse...

Caro Visconde gostaria de cumprimentar o meu amigo pelo excelente post.

Focou um ponto muito importante, os núcleos, são as "bases" como alguns lhe chama, eu gosto de lhes chamar o Sporting real. É nos núcleos que pode começar a militância pedida pelo FSF, mas muito pouco faz o Sporting para que os núcleos ganhem vida e movam as massas. Quantas vezes vemos os presidentes dos nossos rivais em casas a vender kits ou banha da cobra, e o FSF quantas vezes vai aos núcleos por ano? Uma, duas??

Krugul disse...

Caro Visconde,

Excelente post!

Já temos debatido estas questões aqui e em outros espaços da blogosfera há muito tempo, pelo que o alheamento dos adeptos do estádio não é de agora.

Algumas notas extra..

Horário dos jogos:

Para quando jogos a horas decentes? Porque não jogos à tarde? Não conheço ninguém que não gostasse de ver um jogo à tarde, em vez de ser numa noite fria e chuvosa de Domingo..Temos que deixar de ser reféns das televisões. Elas é que têm que se adaptar aos nossos horários, porque não tenhamos ilusões, o Sporting tem muita força junto dos espectadores, só é preciso saber utilizá-la.

Sócio correspondente:

Até há cerca de 15 dias, pagava-se mais pelo bilhete no dia do jogo. Sempre disse que era um roubo, porque as pessoas de fora de Lisboa não têm hipótese de comprar o bilhete sem ser no dia do jogo. Finalmente, a Direcção do Sporting decidiu suspender essa situação.

Para além disso, acho pouco um sócio correspondente ter direito a apenas 4 bilhetes a preço de sócio. Assim não me parece que seja muito atractivo angariar novos sócios.

Preços dos equipamentos:

Também já tenho referido este aspecto. As camisolas dos clubes têm que estar adaptadas à realidade nacional. 70 euros por uma camisola do clube? Está tudo doido? Assim não conseguimos ver o estádio todo pintado de verde e branco.

Se a Direcção olhasse para a blogosfera com atenção (não sei se o faz), tinha dicas mais que suficientes para melhorar muitos aspectos que têm contribuido para o afastamento dos sócios de Alvalade.

Por fim, o aspecto primordial parece-me ser a qualidade do futebol. São 3 anos de exibições muito sofridas (com raras excepções) que não levam as pessoas ao estádio. O tempo do Paulo Bento já acabou há muito tempo. Obrigado Paulo Bento pelos títulos, mas precisamos de mais. Eu pelo menos preciso.

Saudações Leoninas

THE SUPERCOBRA disse...

NUMA COISA O SOARES FRANCO ESTÁ CERTO:
'OS BENFIQUISTAS SÃO MAIS MILITANTES'.
GOSTEI!

MU AH AH AH

Visconde disse...

Caro LdA

A referência foi feita aos sócios correspondentes porque há partida são os que sofrem mais com esse distanciamento, mas essa politica podia ser levada a todos os que vivem a 50km de Lisboa por exemplo. Usufruirem de um desconto especial que permitisse reduzir os custos que têm para virem apoiar a sua equipa.

Caro Gnitrops

A questão dos núcleos é fundamental para voltarmos a ter um Sporting maior e mais unido, daí a proposta de convidarem 4/5 nucleos por jogo em casa a um preço especial, ao invés de o fazerem uma só vez na época. Seria muito mais aliciante para adeptos e equipa.

Caro Armando

O ponto fundamental não é a desmobilização qd as coisas correm mal, porque ninguém mais do que nós (adeptos e sócios) gosta do clube, a direcção é que tem de perceber que a sua politica está errada e isso vê-se no dia a dia do nosso clube.

Abraços

Visconde disse...

Caro House

Como disse anteriormente, os nucleos eram uma das nossa maiores forças espalhadas pelo país e neste momento estão todos meios fechados ou nem se sabe se ainda existem.
Organizar o jogo dos nucleos anualmente é pouco para quem já nos deu e pode dar tanto.
O mais estranho é que em vez de ser o clube a interagir com os nucleos, ainda têm de ser estes a fazê-lo, sendo que raramente são os mais altos dirigentes a representar o clube, depositando essas responsabilidades em antigas glória e ex-dirigentes.
É pouco...muito pouco.

Caro Krugul

Todos esses aspectos nos dão que pensar a nós, sócios e adeptos, mas infelizmente não dão à direcção do nosso Sporting, que continua sem perceber porque estamos a perder assistências...

Abraços

Borges disse...

Como sócio do Sporting efectivo à 16 anos, residente em trás-os-montes a 500 km de Lisboa, subscrevo a análise do Visconde e acrescento:
Temos 23 Delegações, 246 Nucleos, 186 Filiais e milhões de adeptos espalhados pelo país e pelo mundo. Muito me custou ouvir o senhor Guilherme Aguiar no programa "O Dia Seguinte", afirmar que os núcleos do Sporting estão em vias de extinsão. É um exagero, mas é verdade que grande parte estão desmotivados e com falta de actividade e apoio, porque esta direcção esqueceu que a grandeza do Sporting não está apenas em Lisboa. Mais, o Sporting há uns anos exigiu à UEFA que nas provas europeias não fosse designado como Sporting de Lisboa, mas sim pelo seu verdadeiro nome, Sporting Clube de Portugal. É que se o Sporting se reduz a Lisboa, deixa efectivamente de ser um grande. Por isso, urge uma direcção que para além de saber gerir a SAD do ponto de vista económico e financeiro, não esqueça que é necessário revitalizar a grande alma verde e branca espalhada pelo Páis. Essa mesmo, que espantou tudo e todos quando ao fim de 17 anos saiu à rua, vindos de todos os lados, para festejar o titulo.
Aqui no norte, dizia-se nos dias seguintes: Onde é que eles andaram estes anos, que são tantos!!!

AsKaViR disse...

Amigo Visconde, antes de mais dou-lhe os parabéns pelo excelente post! Concordo com tudo o que escreve.

Anónimo disse...

Não me lembro de jogos ao Sábado ou Domingo à tarde no antigo estádio em que, mesmo contra adversários fraquinhos, não tivessemos boas casas. Era ver os autocarros dos núcleos estacionados na Alameda das Universidades. Agora "vergam-se" os horários em função das amizades Oliveirescas, em detrimento do clube e dos seus adeptos.
Outro dos factores que tem afastado os sócios, porque os fãs só lá aparecem quando a equipa de futebol está na mó de cima, é o extermínio das modalidades. O ecletismo que tanto orgulho nos dava enquanto um dos clubes com mais taças da europa, anda pelas ruas da amargura com as modalidades a sobreviverem à custa da carolice de alguns.